DARWIN ESTAVA CERTO

 O grande problema enfrentado pelas empresas é o fato de seus executivos passarem a maior parte do tempo preservando o passado, estarem constantemente engajados no dia-a-dia e esquecerem ou (como alguns dizem) não terem tempo de criar o futuro.

Sem trocadilhos, há uma enorme pré-ocupação em pensar no futuro; ocupação… pouquíssima. Muitas vezes, a grande desculpa (velada, é claro) é que o tal chamado de cliente passou a ser uma maldita amolação, cujo comportamento imprevisível prejudica os planos estratégicos mais elaborados e cujas atividades atrapalham as operações da companhia. Eles insistem e se obstinam em exigir que os produtos sejam vendidos por pessoas atenciosas, que tenham qualidade, garantias, preço justo e ainda que funcionem.

Nas companhias, o urgente descarta o importante e o planejamento fica esquecido, comprometendo o amanhã. E mesmo que sejam empresas líderes, creditando todos os seus méritos ao sucesso presente, não se preparam para enfrentar as mudanças que estão por vir, além de não saberem o que causa esta mudança, como é que ela vai afetar a vida na empresa, e mais importante, o que fazer perante esta situação.

Os negócios com êxito detestam mudanças. As pessoas com bons empregos odeiam a mudança. Os líderes de mercado procuram,  e tendem a adorar, métodos em que possam confiar.

E vale a pena lembrar que a humanidade nunca, nunca mesmo, passou por mudanças tão radicais e com a velocidade que estamos vivenciando nos últimos anos. Mudanças no campo tecnológico, cultural, econômico, enfim, de mercado, o qual muitas vezes nos esquecemos de que é para ele e por ele que as companhias existem, ou desaparecem.

A confusão, o caos e a turbulência dentro da empresa realçam o fato de precisarmos realizar mudanças, de vermos uma nova forma de fazer negócios.
É preciso trazer o conceito de evolução das espécies para o mundo da gestão.
Darwin estava certo!!! A evolução é uma força da Natureza. Essencial e poderosa. Enquanto o mundo em que vivemos mudar, as empresas terão também que evoluir.

Desta forma, o papel de Marketing e Vendas dentro de cada corporação é fundamental, pois mais do que nunca o mercado exige abordagens técnicas e inovadoras para que elas  aumentem e consolidem sua participação de mercado, saibam como reorientar as estratégias para aumentar a eficiência e eficácia do seu Marketing; elevem a lucratividade através dos Nichos; aumentem suas Vendas em mercados crescentemente competitivos.

O profissional precisa saber tomar decisões, ter consciência do seu papel dentro da corporação. Precisa, mais do que cumprir  e superar metas, saber gerenciar o seu negócio; e para que isto ocorra é necessário que ele  esteja em um ambiente de constante aprendizado e atualização; pois ao ter em suas mãos as ferramentas necessárias, poderá planejar e desenvolver  o seu plano de ação.

A palestra não é um curso. Sua eficácia é restrita por vários motivos, inclusive pela falta de tempo. Mas, para conseguir algum resultado efetivo é preciso aprofundar-se na abordagem; com o palestrante comprometido com a qualidade do conteúdo, conhecedor do negócio da empresa, das dificuldades e vantagens do negócio; pois, a palestra tem sim, o papel de provocar, de ajudar os profissionais a ganhar maior visão em relação ao assunto abordado, de estimular ao “craniar” ao repensar a forma e conteúdo de seu trabalho que o estimule a sair da palestra para começar a avaliar as necessidades de mudanças e  ao seu negócio e adaptando-se aos novos tempos. Como Darwin já disse: não é o mais forte nem o mais rápido que sobreviverá e sim quem melhor se adaptar as mudanças.

Cláudio Tomanini