UM BOM VENDEDOR, SUCESSO NO AMOR

Por: New Marketing

Atenção, perspicácia, empenho. Quem diria, ferramentas táticas imprescindíveis para a solução de dois tipos de problemas muito comuns, especialmente, entre os homens. Não que o universo feminino esteja livre destas perturbações, ou que tais rotinas sejam peculiares aos machos da espécie humana. Todavia, não é novidade, nem errôneo afirmar: a exagerada sensibilidade e o famigerado sexto sentido fazem das mulheres melhores conquistadoras que os homens. É bem verdade que elas não se atendem a esnobar estes dotes como o sexo oposto costuma, mas, quando se propõem, fazem bem feito.

O segredo? É fácil e prazeroso. Pense naquilo! Isso mesmo. Sexo! Opa, opa, mas, volte ao nosso objeto de análise. As vendas. Sexo e Vendas tem muita coisa em comum. Porém, é necessário deixar o instinto "selvagem" de lado, você deve proceder como o Jonny Deep em Don Juan de Marco, e não como o Michael Douglas em Instinto Selvagem. Aí a excelência feminina. Procure fazer "amor", fazer simplesmente sexo, não garante fidelidade. E fidelidade, é algo muito importante que você busca conquistar em seu cliente.

Nada disso é novidade, você simplesmente, não havia, ainda, acondicionado analogicamente o desenvolvimento dos relacionamentos interpessoais às suas ações cotidianas profissionais. Relaxe. O funcionamento desse processo de conquista pode ser totalmente compreendido. Para facilitar vou citar um exemplo: " Necessita de preparação para alcançar bons resultados." Ótimo; quem é que espera por uma noite com o amado ou a amada sem nenhuma preparação, ninguém, porque se isso acontece, na hora H, o nervosismo ataca e... já era, tudo perdido, você meteu os pés pelas mãos. Essa é ainda melhor. Eu sugiro uma profunda reflexão sobre o assunto, "A falta de inovação gera oportunidades para a concorrência." Dispensa qualquer comentário. Mas lembre-se, concorrência é, toda e qualquer afluência simultânea de pessoas para o mesmo lugar. Estamos entendidos? O Ricardão pode ser uma concorrência. Aposto que você não marca toca com sua mulher. Então, atente-se ao seu cliente, talvez, ele seja tão importante quanto ela.

A intenção não é a apologia à execução compulsiva do trabalho, desmerecendo a importância da valorização familiar, mas, compreendam, no atual cenário dos negócios de vendas, a inovação têm sido uma das palavras-chave, a qualidade na prestação de serviços vem garantindo a participação das empresas no mercado, e o sexo, e a mulher, estão somente clareando nossas idéias, o que queremos aprender é vender.

O consumidor hoje é mais exigente e como a base de tudo é o relacionamento, estamos de volta ao assunto inicial, sexo. Imagine-se diante de um alvo, ou seja, uma mulher estonteante, linda de morrer; você a deseja, decidiu conquistá-la, você quer dormir com ela. Primeira providência, saber com quem você vai lidar, interesses intelectuais, preferências para entretenimento, etc; sem estas informações, você pode levar um fora já no primeiro momento. Saber quando o beijo deve ser dado na mão, no rosto, ou se apenas um aperto de mão será o mais apropriado; exige atenção, sensibilidade e sobre tudo disciplina estratégica. Daí para o primeiro encontro, as conversas iniciais, aquelas que seduzem e levam ao primeiro beijo, primeiras flores, as palavras no cartão... a primeira noite,... sexo? Não. A primeira noite de amor. Você deseja esta mulher pra vida toda, deve conquistar a fidelidade dela, você precisa de calma e disciplina.

Sabendo aplicar inteligentemente, todos os conceitos referentes a relacionamentos; não esquecendo de buscar a satisfação para ambos; motivando a união; executando as abordagens, considerando o sucesso a longo prazo; potencializando o relacionamento; provocando o envolvimento, participando ativamente de cada etapa desta relação; até mesmo, porque se trata de uma atividade que motiva, estimulando o aprofundamento, e, principalmente, buscando a melhoria contínua; é bem possível que você nem precise retomar aquelas dores antigas, relembrando antigos fracassos amorosos, que, certamente, o fariam identificar até os pormenores de cada falha do passado. Tornando-o hoje, um profissional mais atento, mais experiente, e, dolorosamente melhor executivo.

Há... e, lembre-se, nem sempre você vai conseguir manter. Mas, não esqueça que existem consumidores que ainda estão procurando, são eternos insatisfeitos; e, se você fez um bom trabalho, com certeza este consumidor irá comparar e ver, que a novidade não sustentada é pura "dissonância cognitiva", e, neste momento ele se voltará para você e lhe restará mostrar: qualidade percebida x qualidade comparada. Seu produto é o melhor, agora é só reconquistar e ter a certeza da efetiva "lealdade".

É possível destacar uma lista enorme de itens imprescindíveis para um bom e duradouro relacionamento: controle, confiança e segurança, determinação e pensamento positivo (itens ilustrados de maneira genial através de um trecho do filme Don Juan de Marco), saber ouvir, não julgar, ter sempre uma linguagem adequada, ter profundo conhecimento do produto, conhecer a concorrência, ter percepção, ser atualizado, assumir riscos e gostar de desafios. Afinal, o processo de conquista na verdade, é nada mais, nada menos, que a cultura do bom atendimento, planejada e desenvolvida estrategicamente.

Finalmente, após o stress físico e mental, oriundos de vários sexos, bem feitos, para não perder, qualquer substância na conclusão deste artigo; buscam, modestamente, facilitar a análise do vendedor junto ao funcionamento de seu mercado de atuação, copio, de forma literal as palavras que dizem, que o verdadeiro profissional de vendas é aquele que transforma clientes em efetivos compradores, que transforma o "não" em dúvidas a serem esclarecidas, problemas em oportunidades e, finalmente, que acredita que o sucesso é a busca continuada de aperfeiçoamento.

Depois de tudo assimilado, nunca mais te chamarão de conquistador barato, seu comportamento valorizará consideravelmente seu produto. Crie seu diferencial, ele valerá ouro. Boa sorte nas vendas e um casamento vulnerável, somente, à morte.